coisinhas e comidinhas

abril 14, 2013

Amor, enquanto você fica descansando quietinho no teu X, eu vou fazer um chazinho de boldo pra vc. Depois uma colherzinha de sopa de óleo de figado de bacalhau e uma outra de óleo de ríceno. Eu realmente quero meu bixinho bem saudável para me servir muitos anos…

Coisinhas

abril 12, 2013

Bethnência!

Pisando em Ovos II

abril 10, 2013

Dói tanto…

Pisando em Ovos II

abril 10, 2013

Eu é que sei. .

Dói para k…. melhor para testículo.

O terno – Final

setembro 12, 2012

Capítulo I

Zaratrusta comprou um terno novo e mudou de vida. É assim começa essa estória. Sim, um terno pode mudar muita coisa na vida de um homem. Mas Z não comprou apenas a salvação, ele também comprou uma camisa nova, sapatos pretos, cinto e a gravata certa. Por que mesmo um ótimo terno não pode fazer tudo sozinho. Um bom terno não serve para guerrear com o mundo, mas para vencer!

Até no calor dos trópicos, principalmente no calor dos trópicos, nos dias mais quentes de verão, tudo que um homem precisa para viver e também para morrer decentemente é um bom terno. Qualquer terno tem seu fetiche, não há dúvida que um terno adequado pode ajudar a conseguir um ótimo emprego, pode ajudar a fechar um bom negócio, sentar na melhor mesa do restaurante com classe ou receber o olhar de uma mulher especial. Um terno é um terno! Mesmo um terno feio tem lá o seu fetiche.

Recomendo: Mesmo em casa, nos finais de semana, feriados, com quem quer que seja, em qualquer tempo fique de terno. Sempre que puder, se vista assim. Use terno e gravata. Procure se vestir formalmente durante o maior tempo possível para se habituar a ponto de não conseguir usar outro tipo de vestimenta.  Não se vista para ir a guerra, vista-se para vencer. Vista-se para si mesmo.

Use terno com altivez, prazer, constantemente, aprenda a gostar de usar a vestimenta em toda ocasião ou clima, mas use sem excesso de orgulho, vaidade ou pensando exclusivamente nas coisas que poderá conquistar ou nas facilidades que a vestimenta pode proporcionar. Seria até covardia! Entende dessa forma, use terno  para demonstrar respeito aos outros, para se apresentar da melhor forma que existe. Pense no respeito mútuo. Pense em você, pense nas outras pessoas e usufrua das vantagens que aparecerão! Use o terno para estar pronto para servir as pessoas e agradá-las também! Use o terno de forma egoísta e abnegada ao mesmo tempo. Não é difícil como parece…

Para quem não está acostumado, usar terno continuamente é necessário alguma disciplina, educação, postura e principalmente no início. Deve-se estar preparado para aceitar as exigências e limitações da vestimenta. Um bom terno te impede de fazer muita besteira por aí, impede algumas posições desleixadas, mas também dificulta certos movimentos impedindo muitas atividades físicas. Claro, não dá para ir à praia ou subir em uma árvore vestindo terno e gravata. Mas o terno jamais te impedirá de fantasiar, caminhar, apreciar a vista e ser apreciado.

Não vista terno pensando só nas vantagens mais imediatas, como ficar na área VIP, também não se preocupe demais com as desvantagens e esqueça o tempo (calor ou frio – temperatura não pode servir de desculpa para você). Pare de reclamar ou desista do terno. Vista-se por profunda adoração e respeito ao próximo e principalmente à indumentária! Ame teu terno, ame usá-lo e aproveite. Vista-se pelo prazer de se vestir bem e se sentir bem. Aprenda a relaxar dentro do terno para usá-lo durante muitas horas. Lamente quando a gravata precisa ser afrouxada para fazer amor…

Se for para vestir terno, use direito, com camisa social, sapato e cinto de couro e uma gravata discreta! Se você quer usar suspensório, colete, chapéu é por tua conta! Faça de forma correta e discreta ou toda magia e benefícios quebrar-se-ão. Já disse, não pense só nas facilidades, que são conseqüências, se vista com todo o amor que a vestimenta merece e não por necessidade, egoísmo ou exibicionismo.

Um terno usado sem camisa social, tênis e sem gravata é quase nada! Um terno usado com camiseta de malha é quase um pecado. Nem precisaria escrever, mas se avacalhar o terno, não espere nenhum fetiche. Cuidado com o curto-circuito! Um terno escuro usado com meia branca pode destruir a tua vida! Na vida não há necessidade de nada além de um terno usado da forma correta!

O terno tem poder de elevar. É uma vestimenta muito poderosa. Mas não dá para aumentar o poder de um terno com acessórios complementares, mas alguns podem ser usados sem prejuízo da magia. Outros estragam tudo… Quem usa terno e gravata jamais pode usar mochila sob pena de perder a magia. No máximo, se necessário, use uma pasta de couro preta para transporte de documentos e objeto pessoais. Quem usa terno precisa carregar muito pouca coisa. Use os bolsos do paletó e da calça! Se for muito necessário compre uma pasta, discreta, claro, em couro.

Lenços? Sim lenços, podem ser usados, desde que sejam discretos e não entrem em curto-circuito com a gravata. Suspensórios? Sim, mas muito cuidado! Só é permitido se for de couro preto. Se optar por usar suspensório, use colete, mas muito cuidado com o visual vintage pode filtrar a magia da vestimenta. Óculos escuros? Sim, mas desde que sejam tradicionais e discretos. Um óculos escuro pode escurecer tudo, menos o teu terno. Siga a regra: Evite exagerar em acessórios como relógios, abotoaduras, prendedores de gravata, lenços, pastas, jóias, bolsas, braceletes, suspensórios ou chapéu. Tudo isso pode estragar um terno perfeito. Imagine que o terno é uma camuflagem para problemas, que te realça para as pessoas do sexo oposto que estão ao teu redor e que te faz parecer muito melhor do que é. Uma regra interessante é: – Menos é mais!

Aprenda a amar teu terno em todas as ocasiões e detestar todos os outros tipos de roupa. Principalmente no nosso clima nos devemos vestir terno e gravata sempre para demonstrar nosso comprometimento e disciplina. No calor só podemos dispensar o colete, que pode ser uma lástima para os puristas. Mas se for te violentar tanto, use colete no calor de 40°C, não o dispense, encare fielmente o colete na semana do carnaval, acostume-se e não tire mais. Não hesite. Não ligue para o calor de verão, rapidamente o corpo se acostuma. Um bom terno te aquece no inverno e protege do calor do verão, porque te ajuda a comprar um novo aparelho de ar condicionado com o dobro da potência. Eu me sinto desconfortavelmente pelado sem terno. Se acha que estou exagerando ou duvida, paciência, deixa pra lá. Fique ai com sua bermuda colorida, seu tênis ou com seu jeans “super” confortável!  Eu garanto que um bom terno é mais confortável do que qualquer jeans justo ou folgado.

Capítulo 2

Todo terno ajuda, mas nem todo terno que pode te salvar a vida, não pode ser “um” terno qualquer, tem que ser “o” terno! Se não seria muito fácil… Logo, surge uma pergunta inadiável, onde posso conseguir o terno certo para me ajudar? Não se preocupe em demasia, por que o terno, como as mulheres fazem, é que te julga e escolhe.

Os melhores e mais poderosos ternos sem dúvida nenhuma são os ternos escuros, quanto mais escuro melhor. Ternos escuros são antenas que captam todo tipo de energia e as transformam em magia. Paradoxalmente um terno escuro brilha, emite uma radiação em forma de luz, atração, respeito e poder! Um terno escuro e reluzente pode prender a atenção dos outros e atrair mais do que boas vibrações. Um terno claro ou fosco passa desapercebido. Eu prefiro ternos com dois ou três botões, mas os de quatro botões também servem.  Somente as proporções e o caimento importam!

Os pretos são os mais poderosos dos ternos escuros. Repare na sua força e brilho! Ternos com riscas finas e padrões discretos chamam atenção, até têm alguma magia, porém em menor escala do que os lisos.  Depois dos pretos, vêem os ternos cinza escuro, chumbo e finalmente o azul marinho. Ternos claros, listrados, quadriculados ou de outras cores não estão vetados, podem ser belos, simpáticos no verão, mas não tem fetiche, portanto não salvam ninguém, no máximo ajudam um pouquinho, melhor do que a informalidade do jeans. Mas para falar a verdade, no fundo são quase inócuos.

Claro que a camisa social também faz parte dessa busca pela absorção do máximo poder de um terno. É uma parte muito importante do fetiche. Eu quero toda  magia que puder ter… Porque a camisa serve de alicerce da vestimenta, não carrega um senso de identidade como um terno, mas fixa e consolida o poder. A camisa ideal tem que ter abotoadura no punho, deve ser leve, branca como a primeira neve, totalmente pura, alva e opaca. Deve ser lisa ao toque como metal polido, com caimento correto, deve brilhar ao ponto de ofuscar os olhos, cegando a inveja e fina como papel de seda. Uma boa camisa ajuda a manter as proporções e o efeito de ampulheta.

Cuidado com as camisas coloridas. Fuja delas! Camisas azuis claras ou rosas estão sempre entrando e saindo da moda, mas essas cores são perigosas demais, porque alteram os poderes de um bom terno de forma imprevisível, portanto só devem ser usadas em ocasiões especiais em ambientes controlados e sem pessoas estranhas. Camisas rosadas ou azuis claras só podem ser usadas durante as manhãs, mas as evite nas segundas-feiras. Só use camisas pretas na sexta-feira ou no sábado, mas só à noite, mesmo assim, em ambos os casos, muito cuidado com a seleção da gravata. A escolha da gravata costuma ser complicada, porque não pode competir com o terno e nem desaparecer na camisa. Recomendo gravata preta com padronagem discreta em listras cinza escuro. Camisas azuis escuras, lilás, amarelas, verdes, listradas ou quadriculadas anulam o poder de um terno perfeito e jamais devem ser usadas fora de ocasiões muito especiais. Em casa, nos fins de semana tudo bem…

O colarinho da camisa correta tem que ser rígido, alto, duro, marcante e não pode ter botões ou enfeites. Tem que ter o tamanho exato do pescoço. Pense assim: Apenas um número menor não se fecharia ou se tornaria insuportável. Então encontrar o tamanho correto de colarinho não é uma tarefa fácil. Nem pense no conforto de um número maior! O ar não deve circular pelo pescoço, não deve formar bico… O colarinho deve ser usado como uma coleira que mantém um cão bravo sob controle! E deve permanecer sempre fechado para que ele não fuja! O colarinho deve abrigar durante o tempo que for necessário um nó de gravata perfeito, que resistirá imutável ao passar do tempo (um dia). Para manter a indumentária em perfeitas condições, há que se aprender a controlar oa movimentos do pescoço e tórax para manter uma postura e elgância compatíveis com a vestimenta. A camisa não pode sair da calça e a gravata não pode ficar bagunçada. Seja zeloso com a vestimenta. Voltando ao colarinho, o nó da gravata o complementa. Por isso, deve ser o mais justo possível, claro não pode te sufocar, mas não o deixe frouxo. Sim, você precisa respirar, mas não vai correr a maratona, esse pessoal usa bermuda, camiseta e tênis. Mas você poderá ser chamado para entregar a medalha do primeiro colocado se estiver com um belo terno! Lembre-se que junto com o terno, a gravata deve ser usada por muitas horas, em geral doze horas por dia, todos os dias. Quanto mais apertado melhor. Para os iniciantes, o colarinho tem que ser confortável, mas onipresente para que jamais se esqueça do privilégio de vestir uma roupa especial, que te recompensa, mas impõe sacrifícios, limitação, educação e postura. Os punhos devem obedecer às mesmas regras do colarinho. Isto é, sempre abotoados, rígido, proporções corretas, duro, marcante e não pode ter botões ou enfeites… O punho deve apertar o pulso a ponto de impedir a circulação de ar. Não pode ficar frouxo, sambando…

Idealmente deve-se vestir terno e gravata sempre, de segunda à segunda. Antes das oito horas da manhã já devemos estar vestidos e só deveríamos tirar depois de doze horas de uso contínuo. Eu gosto de me vestir antes das sete! De preferência, procure ficar vestido com o paletó o maior tempo possível. Jamais tire o paletó para comer; Aprenda a relaxar sem afrouxar o nó da gravata ou tirar o paletó. Se fizer isso, certifique-se que está sozinho. Só tire seu terno para dormir. Só é permitido tirar o terno durante o dia em duas exceções: Para fazer sexo e para fazer sexo! Dica: Mas se puder faça sexo vestido com o seu terno. Não estou brincando! É muito melhor não se despir, se o colarinho e a gravata estiverem corretamente ajustadas, não será necessário sequer afrouxar o nó. Não acredita em mim? Experimente e pergunte a tua parceira.

Capítulo 3

Um terno pode te tirar do inferno e te levar ao paraíso instantaneamente, mas não te dará asas para saltar de um precipício. Vestir um terno é como colocar uma pele de cobra coral que impõe respeito, até medo nos ignorantes ou em mentes mais fracas. Mas um terno jamais te dará presas venenosas. Você precisa acreditar em você mesmo e o terno faz exatamente isto. Portanto, não abuse do poder de qualquer terno. Jamais revele o segredo e o fetiche da sua vestimenta para não quebrar a magia. Embora você até possa sentir o poder fluindo ao seu redor, não pense que pode tudo por que está vestindo uma roupa especial, sempre tenha cautela e limites. Não peça saúde, não peça dinheiro, não peça poder! Não peça nada ao teu terno, apenas se surpreenda! Se puder agradeça o privilégio de poder continuar se vestindo tão bem, tratando bem o teu terno. Não peça mais do que você merece, por que se ousar, poderá ser negado por capricho. Deixe a roupa te dar o que for preciso. Ela é generosa, confie, aceite e se entregue.

Vista um bom terno e note como portas serão abertas todo o tempo! Sorrisos e cumprimentos se multiplicam. Mãos se estendem. Seja atencioso, solidário e paciente. Comporte-se normalmente e humildemente. Embora o terno não se importe com a sua prepotência; Por favor, não seja prepotente para dar um bom exemplo.

No início, após aderir ao uso continuado da vestimenta, as pessoas podem até estranhar a mudança no visual, brincar e fazer um monte de perguntas. Fale pouco e não minta! Diga que é exigência de compromissos formais assumidos e que usa o terno por que precisa. Todo mundo precisa de um terno, mas nem todos sabem disso. Poucos são escolhidos, portanto só alguns privilegiados podem usar um.

Mas brevemente será formada uma associação perfeita e indestrutível entre o indivíduo e o seu hábito de usar terno. A antiga imagem casual desaparecerá completamente e uma nova imagem surgirá, mais formal, mais respeitável e poderosa. Tudo começa a acontecer. Não é exagero dizer que o terno muda o homem.  O homem tem que estar aberto ao processo de mudança. Aos poucos, uma nova imagem se constrói e se consolida. A imagem fica cada vez mais forte. Vem para ficar. Eu garanto que tudo muda, mude para melhor! Logo ninguém se lembrará da personalidade comum do homem antes do terno, de como ele se vestia ou era. Respeito, credibilidade, formalidade e admiração se tornam padrão.

O terno mudou a vida de Z, mas não pode mudar a vida e a personalidade de qualquer um. Infelizmente nem todos podem usar terno. Se todos usassem não haveria magia para todos. Quem não usa terno se submete a magia de quem usa… Quem usa fica vacinado e as coisas ficam equilibradas. Por isso não desperdice a oportunidade se surgir! Porque o terno é um bom companheiro, os anos serão bondosos e vão te retribuir. Por isso é que é importante conhecer os requisitos vestimenta. O processo da mudança não acaba nunca; Devemos nos entregar totalmente. Qualquer falta ou desistência do traje é punida imediatamente com o banimento, perda de privilégios e do que muitos chamam de sorte e do magnetismo pessoal, mas é só a magia perdida.

Para usufruir os resultados é necessário passar o maior número de horas vestindo terno e gravata para absorver o máximo da magia. Não é um ato egoísta, porque o terno não te proíbe de compartilhar o sucesso e os resultados com as pessoas ao redor. O sacrifício pessoal é pequeno perante todos e a si mesmo.

Antes das oito horas da manhã devemos estar despertos, limpos e vestidos com o terno, não é recomendável se despir antes das oito da noite. Mas se puder, se apronte uma hora ou duas antes para mostrar sua devoção ao traje. Ou se puder, se dispa uma ou duas horas mais tarde. Tente superar 14 horas de uso diário. Depois de se habituar a usar por um determinado número de horas, jamais reduza o tempo diário de uso. Em caso de dúvida não arrisque! Comece devagar. Observação importante: Nunca afrouxe o nó da gravata em público. Se fizer isso é para tirar o traje ou relaxar em particular. Se não puder usar mais do que 12 horas por dia, não tente. Mas eu recomendo que se use pelo menos 14 horas. Jamais tiro meu terno antes das 22h.

 

Quem usa terno não precisa de ginástica, ou qualquer forma atividade física, apenas 30 minutos de caminhada diária antes da refeição e mais 10 minutos após. Mas se for absolutamente necessário praticar esporte, que seja em local fechado, no máximo por uma hora e três vezes por semana. Nada de atividades externas ou ficar exposto diretamente ao sol. Entre e saia do local da ginástica usando terno. Durante a atividade física use agasalhos esportivos azuis ou pretos com calças e mangas compridas, camisa branca e tênis preto.  Não use bermudas, não deixe a magia acumulada se esvair.  Evite camisetas coloridas. Não carregue mochilas, no máximo uma bolsa de couro. Compense o horário da ginástica à noite ou pela manhã.

 

Há poucas regras para utilização de roupa íntima. Pode-se usar uma camisa branca de malha bem justa, cueca tipo sunga, box ou samba-canção nas cores preta ou branca. Mas a meia deve ser ¾, nova, preta e sempre deve ficar esticada. Nunca use meias brancas! Repito: Nunca!

 

Para manter a postura é recomendável usar uma cinta tipo espartilho para manter a barriga constantemente comprimida. Isso ajuda a manter a elegância e a postura. A cinta limitará ainda mais a mobilidade e os movimentos, impondo uma postura vitoriana, mas por outro lado facilitando a atração e absorção da magia. O desconforto é passageiro e desimportante. Para absorver o máximo da magia é melhor se manter calmo e relaxado. Qualquer movimento ou atividade física além de caminhar é muito prejudicial. Abdicar de prazeres fúteis ajuda a viver melhor com o terno.

 

Ternos exigem alguns cuidados especiais com a higiene e aparência. Para usufruir a magia e magnetismo de um terno é necessário usar cabelos muito curtos, raspados a máquina, escovar os dentes após as refeições e usar enxaguatório. A barba deve ser feita diariamente, se necessário duas vezes ao dia, contra o sentido do crescimento, para manter a pele lisa. Se possível, durante o banho, raspe as pernas, costas, peito e principalmente partes íntimas. Esfolie a pele com força usando bucha grossa. Nada de pelos para facilitar a penetração da magia.

Capítulo 4

O meu avô tinha razão, é mesmo um ótimo investimento adquirir terrenos, apartamentos e casas. Cimento, areia e o ferro duram mais do que folhas de papel, resistem por muitas gerações.  Embora em algum momento pode não ser rápido transformá-los em capital.

As joias, pedras e ouro também são investimentos magníficos, na verdade são eternos como o cimento, mas cuidado, porque diferentemente de imóveis, podem ser roubados facilmente.

Um poder assim tão diminuto, concentrado e explícito atrai a cobiça de muitos e desperta as nossas maiores paranoias. Logo, precisamos de cofres, bancos, segurança e um esquema de governança complexo para que o investimento seja mantido através do tempo, principalmente em grandes volumes. Nunca é o bastante!

Os carros, máquinas, móveis, obras de arte se deterioram rapidamente e se tornam inúteis; Sem observadores perdem o valor e seu referencial. As expectativas financeiras, empresas e ações mudam conforme a maré, por mais sólidas que pareçam as Empresas são castelos de cartas…

Porém nada disso, nenhum investimento se compara com a educação, que é um somatório de conhecimentos compilados e aplicados. O conhecimento vale mais do que o cimento, ouro, arte ou carros, porque através do conhecimento, que ninguém pode te tomar, a não ser aquele que está acima de tudo e de todos, quase tudo fica ao teu alcance; as verdadeiras oportunidades são reveladas, desfazem-se as ilusões e o que realmente importa sobressai. Através da educação e conhecimento, reconhecemos o verdadeiro poder do terno.

Mas acima do conhecimento, está a magia da sorte e seu poder dissimulado. O conhecimento é para ser aplicado!

Um bom terno se mostra independente, poderoso e superior, porque é aplicação da educação.

Para um bom terno, apenas a obediência e lealdade ao código de uso da vestimenta importam. Sim, existe um código… E se obedecido com disciplina, este código te permite conseguir tudo rapidamente, sem conhecimento de mais nada, sem investimento de capital, sem educação, sem ética, sem moral. Tudo é possível para quem se submete a magia do terno, você terá tudo, partindo do zero absoluto (ou quase porque um bom terno não é barato). O retorno do investimento no terno é instantâneo, tangível e duradouro enquanto se veste o terno. Um terno pode te educar e te dar castelos, mas apenas enquanto estiver vestido e seguindo o código. Se parar de se vestir com o terno, tudo se esvai com a mesma velocidade.

Portanto o investimento em ternos é primordial. Se puder investir, mas se achar que realmente está a altura de um terno, se merece, se estiver atraído e decidir usá-lo, mostre seu valor e compre. Mas se não puder comprar um terno, roube!  O código não é violado, pelo contrário…  Mas não se esqueça, que mesmo um bom terno não pode tudo sozinho, há as camisas sociais, gravatas, cintos e sapatos.  O terno frutifica em outros ternos, propriedades, joias, móveis e objetos valiosos. O terno te projeta para o mundo, mostra o que é transcender, te dá o poder da decisão, visibilidade ou da invisibilidade.

Para começar a usar ternos, monte um conjunto padrão com dois bons ternos e logo serão quatro, oito, dezesseis, trinta e dois! E a coisa não para por ai.. Porém, não demonstre ostentação, soberba… Só compre ternos parecidos uns com os outros,  priorize os cortes clássicos e cores e neutras. Claro que todos os ternos poderosos são semelhantes em tecido, corte e cor. Lembre-se da lei da semelhança dos triângulos. As variações bruscas são comprometedoras e indesejadas do ponto de vista fetichista, que é o cerne do poder do terno.

Para começar a formar um conjunto de ternos, o primeiro deles deve ser preto para noite e o segundo azul marinho para usar em ocasiões formais do dia. Compre também dois pares de sapato preto, oito gravatas com padrões em listras diagonais nas cores azuis, prata e preto. Evite o vermelho.  Compre dez camisas sociais brancas de algodão. Assim que possível, compre mais dois ternos exatamente das mesmas cores. Você terá dois terno pretos e dois azuis. Depois se puder compre um terno azul marinho com risca de giz. O conjunto é sem homogêneo e discreto. Depois disso compre dois ternos cinza grafite, o mais escuro que encontrar. Apenas um deles com risca de giz. Ambos serão ótimos coringas, inclusive para se usar nos eventos noturnos e de finais de semana. Sim principalmente nos finais de semana devemos nos vestir adequadamente. Não há motivo para não usar ternos aos sábados e domingos. Por que abrir mão do poder? Depois de um tempo se torna impensável sair na rua sem terno e gravata. Você se sente nu. Conselho, caso necessário, mude de bairro, cidade, país ou até de esposa!

 

Priorize a aquisição de novos ternos até montar um conjunto com digamos no mínimo quatro ternos pretos refletores de problemas e absorvedores de energia pura.  Os ternos pretos reluzentes absorvem o máximo da energia do meio ambiente e maximizam a transferência e absorção do poder através da camisa branca. Não o use sempre para não provocar uma overdose. Por isso usar terno preto é tão perigoso, mas tão energeticamente importante. Os ternos pretos são sensíveis à temperatura, tempo, horário e luminosidade. Tudo isso implica em variação energia e poder. Só experimentando para saber. Eles não devem ser usados constantemente, ou sem um intervalo de algumas horas de descanso. Os ternos também se cansam e precisam descansar. Eles devem ser deixados no armário para “adormecer”. Nunca use o mesmo terno preto por mais de dois dias seguidos sem descansar! É possível usar terno preto todo dia, toda noite, mas não o mesmo terno, desde que a sua mente e corpo estejam preparados para isso. Se fizer isto, todos os outros se tornaram fracos. O poder do terno preto é muito intenso e não é absorvido de forma tão suave quanto o do azul ou cinza.

 

Um bom conjunto de ternos pode conter quatro ternos pretos, três ternos cinzas grafite escuros, dois ternos cinzas grafite médio, dois ternos azul marinho brilhante, dois ternos preto risca de giz, um terno cinza grafite risca de giz e outro azul marinho risca de giz. Dessa forma é possível variar os ternos todos os dias e noites. É muito interessante trocar de terno para jantar, sempre por um tom mais escuro (azul marinho para cinza escuro ou preto, cinza médio para cinza escuro ou preto, cinza escuro para preto e preto para preto). Use os ternos pretos à noite e os mais claros de manhã. Se você se garantir, compre todos os ternos com colete.

 

Depois de montar um conjunto com 24 ternos continue a investir em duplicação, depois em gravatas, camisas sociais, sapatos e abotoaduras em prata e ouro. Camisas sociais rosas, azuis claras, petróleo e pretas são complicações, priorize as brancas que são fáceis e evitam surpresas.

 

Recomendo sapatos pretos de couro envernizado com salto baixo, sem cadarços e com bico fino. A fivela deve ser prateada e discreta. Evite botinas na altura do calcanhar ou coturnos. Botas não estão proibidas, mas são complicadoras desnecessárias, todo cuidado é pouco. Se estiver muito frio ou gostar muito de calçar botas, evite o estilo boot. É permitido andar a cavalo usando terno, então use botas de montaria adequadas. Cuidado com alto-relevo, escolha as pretas, lisas, ¾ de couro com bico de pato, cano justo e com zíper embutido. Se for calçar botas, nunca cruze as pernas, se cruzar as pernas as meias devem estar esticadas. A calça do terno deve pousar suavemente sobre a bota e não deve ficar presa nelas. A bainha da calça não deve ultrapassar a metade da metade da sola do sapato.

 

Siga rigorosamente os códigos que a vestimenta exige para valorizar e obter o retorno esperado do investimento! Respeitabilidade, discrição, formalismo e sobriedade fazem parte da magia do terno. A roupa é uma mistura de armadura, com camuflagem social e espelho, que te livra dos problemas, defende, promove, encantada e protege. Entenda que nos fins de semana e em horários de lazer ou descanso a elegância e o formalismo não podem ser abandonados e o uso do terno e gravata deve ser priorizado e aprofundado. Depois que se veste um terno com a intensão e o desejo de ser educado e modificado, não se pode simplesmente desistir e vestir outras roupas, sob pena de receber rigoroso castigo (ficar sem a magia).

Capítulo 5

O poder de um terno preto é muito grande e quem não estiver preparado para usar, não deveria nem tentar… Por que desistir é o fim! Um terno preto pode te enlouquecer em vaidade. O poder tanto pode ser usado para o bem, quanto para a maldade. Um terno deveria ser usado de forma abnegada, mas pode ser usado para todo o tipo de ato egoísta. Nesse ponto a educação é um freio muito desejável. O poder do terno pode dar suporte a grandes conquistas, fechar bons negócios, principalmente em vendas, onde a imagem e autoestima são tão importantes. O poder ajuda tanto em filantropia quanto em atos da maior atrocidade, tudo isso sem qualquer culpa, arrependimento ou qualquer consequência para quem está vestindo, ou melhor, ostentando seu escudo em forma de armadura. Só a fidelidade aos códigos importam, tudo pela a magia do terno.

A vestimenta é de certa forma cega aos caprichos e propósitos de quem a veste; E não é vingativa, nem cruel, mas jamais se esquece ou perdoa quem trai os princípios ou abandona os códigos… O terno só quer ser vestido, apenas exige fidelidade em troca. O traidor de seu terno será punido com intensidade e velocidade. Todo sucesso alcançado tem seu preço! Por que seria diferente com o fetiche do terno? Quanto maior o sucesso, maiores serão as exigências e a dedicação. Mas o poder abandona quem não cumpre a sua parte e toda magia desaparece e fica perdida para sempre.

A sensação de bem-estar, respeitabilidade e disposição não são ilusões. Sem exagerar diria que o uso continuado do terno traz calma, harmonia e felicidade! Os resultados são muito rápidos, reais e tangíveis. A vestimenta realmente proporciona ganhos pessoais de todo tipo. Não é difícil se acostumar a viver dentro de certas regras e usufruir as vantagens, apesar da disciplina aparentemente rígida, a mudança é indolor.

Os tolos reclamam, não se adaptam ao terno porque acham que se paga um preço muito alto. Gostam do algodão, das cores, do informal e do casual… Eles parecem que não aceitam bem o formalismo, “desconforto” e a “perda” da liberdade! Também reclamam do calor, gravata, colete, sapato, mas na realidade tudo é desculpa de quem não é adequado. Os tolos se apegam as distrações da vida! Querem bermudas e chinelos no verão… Por isso, nem todo mundo merece o poder do fetiche ou está preparado para ele! Porque na verdade não perdemos absolutamente nada ao adotar a vestimenta como padrão, só aprendemos, ganhamos e nos realizamos. Sim mudamos, a roupa nos modifica internamente. A pessoa que a veste constantemente, muda para sempre. O tom de voz muda… O cheiro… Os gestos… O olhar… Tudo fica muito diferente sob a lente do terno e gravata… E a verdade que é revelada pela magia do terno, é absoluta, perene e se absorvida pode educar e libertar. Se vivemos cegos em uma ilusão, em uma pseudo-liberdade, a vida se torna uma prisão inescapável e muito cruel. No fundo a vida em sociedade é uma grande fantasia, uma farsa que aprisiona a todos nós. O terno te liberta de uma prisão invisível e por isso mesmo tão cruel. Quando a verdade se revela a prisão deixa de existir instantaneamente. Dessa forma o terno imuniza da mentira, exploração do semelhante, distrações e prazeres tolos, mostrando o caminho dor poder, disciplina e auto-controle.

 O código do terno é rígido, mas não é opressor, claramente mostra que ninguém é livre do esquema Explorador x explorado, Iluminado x cego, Proprietário x inquilino… Claro que não se pode vencer um sistema, mas podemos aprender a tirar partido da situação ficando do melhor lado da equação, encontrando os pontos privilegiados e fazendo com que a energia seja canalizada sempre favoravelmente, nunca ao contrário. A verdade pode ser muito cruel para alguns, por isso nem todos devem conhecê-la. A vida é uma exploração constante de uns pelos outros e o terno apenas exibe os limites e as amarras que estão em cada um de nós. 

Alguns se sentem muito bem servindo, vivendo sob disciplina e seguindo rígidas as regras. Vivem felizes sob a disciplina porque se submetem de coração. Então vivem bem, morrem dignamente e são enterrados com seu terno mais querido. Quando se usa um terno com amor, tudo se torna mais fácil. O mentirosos que fingem ter prazer ou amor a vestimenta e constantemente reclamam não recebem o poder pleno e não alcançarão o sucesso. Eles vivem sem sequer imaginar o quanto estão perdendo. Na verdade nem deveriam ter experimentado tamanho poder.

“Pode parecer o contrário para quem não está acostumado, mas usar um bom terno é delicioso, principalmente no verão, não inventaram nada melhor”

Capítulo 6

O terno salva, muda vidas e às vezes pode destruir também. Não duvide disso! Principalmente a tua vida, tome cuidado… A magia do terno pode te ajudar bastante, mas é também é capaz de te prejudicar se for traído. Posso falar da magia, explicar os conceitos durante horas, os benefícios, mas só experimentando a magia do terno se compreende plenamente o seu poder. Mas não se iluda! Deixe-me ver se consigo dar uma vaga ideia…

No mundo em que vivemos há poucas formas para se conseguir sobreviver.

Podemos tomar a força, produzir ou mendigar para obter coisas que precisamos. Mas os resultados são pífios, perigosos e humilhantes no terceiro caso. Quem quer viver assim? Muitos vivem assim o tempo todo e não sabem. São cegos! Existe uma opção. Porém, sem magia é complicado viver.

Podemos roubar ou usar a força bruta para conseguir o que desejamos ou julgamos precisar. O terno te dá o poder de conseguir tudo sem recorrer à força explícita. Não, não pense que o uso da força é um ato de exceção, selvageria ou aberração. Os romanos, bárbaros e demais povos europeus fizeram isso durante séculos e até hoje ainda o fazem em maior ou menor grau. Os egípcios, persas, babilônicos, maias e muitos outros povos também usaram a força contra outros povos. Sociedades inteiras fizeram uso da escravidão, pilharam e mataram em nome do ouro, chá, ópio, carvão, petróleo… Claro que ainda hoje em dia dominam os mais fracos ou que se deixam dominar. Abraão pagou seu dízimo sobre os espólios de guerra… O que é a guerra afinal? Selvageria da ausência de magia… Então, após gerações em guerra, “pegar” o que se quer dos outros não deveria nos parecer algo tão estranho, antiético na esfera individual quanto não é na esfera coletiva. Não estou fazendo apologia ao roubo, guerra ou violência, mas não é evidente que é uma forma de se obter o que queremos?

Mas o uso da força bruta individual (principalmente pelo mais fraco) é muito perigoso, se não usar a sorte ou o fator surpresa, o mais fraco causa fortes reações de defesa e a sociedade tem bons sistemas de defesa atualmente. Roubar o pipoqueiro ou uma galinha está fora de questão.  Roubar um carro forte? Um banco? O alto risco só justifica grandes ações ou ações desesperadas. Além disso, hoje em dia roubar um banco seria uma idiotice maior, ato de um despreparo grande, quando se compreende que o dinheiro “grosso” é eletrônico e virtual, que surge depois de uma senha e um simples <enter>. O papel moeda é para os tolos…

A força física usada para tomar as coisas tem pouca ou nenhuma efetividade no mundo de hoje. Na antiguidade ter uma espada podia te ajudar muito, hoje ter um revólver não resolve nada. Mesmo a mágica do melhor terno não pode ajudar muito com um revólver. Mas o terno de dá alternativas eficazes ao uso da força física bruta.

Em tese também seria possível produzir ou buscar na natureza tudo o que se precisa. Mas as necessidades atuais do indivíduo pós-revolução industrial são muito mais complexas do que pode conseguir produzindo individualmente ou pegando no bosque da esquina. Eu não conheço ninguém que consiga fabricar algo parecido com uma Porche, nem um terno Ermenegildo em seu tear, colher trufas ou envasar um proseco de qualidade. As coisas se sofisticaram por demais acompanhando as necessidades individuais do homem educado. Produzir ficou fora de questão, junto com mendigar e usar a força física para tomar o que se necessita ou deseja… O que nos resta?

Então só resta uma alternativa para a maioria das pessoas que não sabem ou conseguem produzir, não querem roubar e nem aceitariam mendigar. O que resta é o escambo, troca ou comércio. O que é o comércio? É a mentira legalizada. É o uso da força dissimulada, força mental, para se conseguir as coisas, em contraposição ao uso escancarado da força física. O trabalho remunerado é o exemplo mais banal do tipo de troca que toda sociedade capitalista está baseada. A força de trabalho, conhecimento, experiência e habilidades adquiridas ao longo da vida são trocadas por salário todos os meses. Resultados, vidas, sentimentos que as pessoas desejam ou necessitam são trocados constantemente por bens (dinheiro) em quantidades inferiores ao que realmente valem. Aos poucos tudo foi atribuído um peso, um valor, uma referência e preço, que pode ser negociado. Não tenha dúvida que o um bom empregador (empresário) sempre pagará muito menos do que vale o assalariado para ficar com a diferença que é o mais-valia na linguagem do século XX ou XIX. Porque eles aceitam? É a magia da necessidade…

Para entender vou recorrer a outros exemplos, considere um vendedor e um comprador. O vendedor tem algo que interessa ao comprador. O vendedor só entregará o seu bem quando consegue um acordo vantajoso. Ou seja, quando conseguir vendê-lo por mais do que acha que vale, jamais venderia ou entregaria seu bem por menos do que acha que é justo. Nem pelo justo, apenas por mais… Dessa forma o comprador sempre se ilude e faz mau negócio e vice-versa. Quem deseja ou aparenta necessitar mais, sai perdendo sempre. O jogo é esse, vivemos trocando algo que vale mais por algo que vale menos (usei o referencial do comprador), mas quem compra não sabe disso ou se sabe não tem opção ou é um idiota e aceita! Essa distorção está presente em todo tipo de troca atualmente e desde a antiguidade, porque se não fosse assim não teria o menor sentido abrir mão de seu bem por outro de menor valor e estaríamos duelando com espadas… Imagine um mundo de batatas! Para conseguir acumular batatas eu teria que roubar, mendigar, produzir ou trocar uma batata por duas batatas… Como eu faço para trocar uma batata por duas? Simples mentindo, fazendo com que o comprador acredite que a minha batata é melhor do que duas dele…

Não faz sentido trocar uma batata por outra, muito menos uma por menos do que uma! Quando negociamos um objeto também não o fazemos para empatar, mas para obter lucro, por interesse, para sobreviver e não para perder. Para viabilizar o comércio temos que omitir a verdade! É preciso recorrer a um tipo de jogo de pôquer, ou melhor, por que não dizer claramente, que temos que mentir ou blefar para viver sem recorrer a violência, mendicância ou bancar o produtor auto suficiente de todas as nossas necessidades. Por que se a verdade fosse revelada pelo vendedor ao comprador não haveria troca alguma. Logo voltaríamos ao tempo dos bárbaros…

A mentira é a avalista e viabiliza o mundo atual, por que está presente em toda relação comercial do mundo de hoje. O poder dessa vestimenta fantástica que é o terno e gravata é dar credibilidade à pior das mentiras sem a menor culpa ou constrangimento. Um pecado? Não me interessa. O terno não se interessa também, mas o poder flui para quem o veste. E as trocas vantajosas acontecem facilmente.

O comércio não nos faz seres humanos menos dignos, muito pelo contrário, nos diferencia das feras, mendigos ou dos bárbaros violentos. É melhor enganar do que matar ou roubar com um revólver.  Mas não vamos nos iludir, é mentira, é roubo, é exploração dos outros! O desafio e aparente paradoxo de se conseguir trocar algo menos valioso por outro mais valioso para conseguir mais do que já temos somente se explica através da capacidade de se iludir o semelhante. No fundo toda negociação é um embate entre informação, percepção de valores e intelecto mais forte sobrepujando o mais fraco…

Auferir prejuízo com o comércio pode ser injusto para uma das partes envolvidas na negociação. Mas isso ocorre todo dia no consumo. O aparente paradoxo das trocas se desfaz quando se entende que uma das partes sempre estará mentindo e lucrando e a outra perdendo sendo enganada deliberadamente. É questão de oportunidade, necessidade e interesse. Note que podemos facilmente inverter o exemplo. Pense na situação em que o comprador aprende a negociar e a comprar pagando menos do que o bem realmente vale, para auferir lucro e o comprador sai perdendo. Nesse jogo sempre vencerá o ser mais forte. Então, a negociação pode se tornar uma interessante disputa de força mental… Necessidade ou desejo x lucro ou oportunidade. Novamente a magia de um terno é imprescindível em um bom argumento, mentira ou blefe.

Mais um exemplo: No inverno o sorvete cai muito de preço, é sempre assim, mas no verão as vendas disparam e o preço sobe porque somos gananciosos. As pessoas que vestem terno sentem muito calor no verão, também têm sede e mais prazer ao degustar um picolé de limão de quem usa bermuda e chinelo. Logo o preço do sorvete, refrigerante e água tende a aumentar mais para que usa terno. Não! A mágica do terno está acontecendo. Quem usa  terno já teve o seu galardão e o está lucrando mais do que o sorveteiro da esquina… O terno impõe respeito, até medo… O poder do terno não se corrompe e se opõe dentro de certos limites do razoável às condições externas.

Continuando com o exemplo: O comerciante que compra o picolé na fábrica para revender, paga um valor superior ao custo de fabricação. É lógico! Ele negocia para minimizar seu custo, se pudesse pegaria de graça. Para que a diferença na venda seja máxima.  É seu prêmio, sua vantagem como varejista, o seu lucro! Mas sempre paga mais por menos (parece que só quem sabe disso é o fabricante do sorvete – mas ele não se importa porque vai revender e reaplicar o golpe).

O sorveteiro não estará imune às regras do mercado, nem o executivo de terno.  O seu produto no verão estará mais valorizado e caro para ele também. Ah, talvez se ele usasse um terno poderia acabar obtendo condições melhores de prazo, descontos em volume, propaganda, preço e etc. Mas terno e gravata não são para sorveteiro.  Bom se ele soubesse que o terno pode fazer, se soubesse que poderia tirá-lo rapidamente das ruas… Ah, mas o mundo não é justo e ele não saberá. Bom, não quero falar nisso agora… Caso todos os sorveteiros usassem terno e conseguissem comprar mais por menos não haveria interesse do fabricante, não haveria venda, fábrica e não haveria sorvete para revenda! Nem sempre a troca injusta é injusta afinal. Mas considerando a troca do sorveteiro injusta, depois de receber seu produto, ele terá que andar até a esquina e obviamente vender sua mercadoria por um preço que considera recompensador, sempre maior do que pagou, claro para viabilizar o seu negócio! E a vida vai passando se tornando uma grande mentira em cadeia. O transeunte, um homem sedento, que usa terno vira um consumidor em potencial, entrega seu dinheiro pagando um preço muito superior ao preço real do picolé, trocando mais por menos. Mas ele está com calor, sede e o sorveteiro tem a solução, que é picolé de limão!  Resultado: O sorveteiro trocou menos por mais e venceu o homem de terno que aparentemente trocou mais por menos! Mas quem ganhou no final foi o homem de terno que saiu do calor e está confortavelmente sentado no ar condicionado.

Na verdade o homem de terno venceu com enorme vantagem, porque pagaria dez vezes mais pelo sorvete para aplacar o calor e a sede. O sorveteiro jamais usou terno e não imagina o calor, a sede e as posses de um engravatado no verão! Como só o homem de terno conhece a verdade dos fatos “a priori”, pode tirar toda vantagem se não for ansioso ou injusto! O engravatado não tem dúvida que pagou muito menos por mais! Além disso, na próxima negociação, terá a força da magia contra um oponente à sua altura e obterá um lucro muito maior do que qualquer sorveteiro jamais imaginou. Negociar com um sorveteiro da esquina seria uma tremenda covardia. No entanto se quiser o terno não vai se opor… Se o engravatado sentir-se enganado ou lesado, simplesmente matará a sua sede em outro lugar e o prejuízo maior será do sorveteiro. O meu conselho é: Jamais tente enganar um homem de terno.

Onde entra o conceito do dinheiro? O conceito do dinheiro é simples, uma unidade ou valor padronizado para referência, um tipo de entidade puramente metafórica, matemática, que ajuda ou facilita padronizando trocas de bens. O dinheiro substitui um mundo de batatas, mas o dinheiro ajuda a esconder a verdade dos fatos, que sempre trocamos menos por mais de forma injusta e impiedosa para isso precisamos enganar, mentir, blefar ou dissuadir para conseguir auferir lucro ou sobreviver! Desde os tempos mais remotos até as sociedades mais modernas, toda sociedade mercantil está baseada no comércio e em trocas injustas, ou seja, o pior pelo melhor!

Trocamos sempre objetos de menor valor por objetos de maior valor por que não há bondade na luta pela vida, talvez haja até alguma poesia, mas principalmente há interesse em sobreviver. Sempre que compramos queremos barganhas, quando vendemos o fazemos superfaturando e alguém sempre sai perdendo. Não dá empate! A arte de manipular ou não dizer a verdade aliada à necessidade que temos de sobreviver adicionada ao fetiche que as coisas despertam em quem não as possui é que distorcem o valor real dos objetos e possibilitam a existência do mundo como ele é. Explicitamente menos violento!

Mas para sobreviver, fazendo a roda girar trocando objetos com lucro é preciso ter poder! É o carisma ou magnetismo pessoal que manipula, engana e cria energia capaz de distorcer o valor real das coisas. O poder da vestimenta está justamente na capacidade de ajudar muito nesse processo. A mágica do terno faz com que objetos comuns pareçam mais valiosos do que realmente são nas mãos de quem o veste. Um objeto que vale uma unidade se valoriza e passa a valer duas, três, mais, ou sabe se lá quantas unidades e permite que se acumulem lucros nas trocas.

Capítulo 7

 O poder de um terno não se explica. Apenas se percebe. Ele se expressa e se origina da magia das suas propriedades, cores, fibras e principalmente da sua geometria áurea. Os acessórios não tem magia, mas ajudam a condensá-la, principalmente a gravata que é um objeto com forma fálica, que funciona como um tipo de antena atraindo energia, fêmeas e repelindo concorrentes como a gigante puã do caranguejo de Galápagos. Por isso é tão importante usar esse acessório corretamente sob pena de parecer um caranguejo aleijado. Sem gravata o sinal não ser recebido ou transmitido.

 As cores concentram ou refletem energia de várias formas, níveis e nos levam a reagir de forma distinta, aumentando sono, atenção, inspiração, seriedade ou o apetite sexual. Por isso, as cores escuras e neutras são ideais para transmitir credibilidade, respeitabilidade, sinceridade, profissionalismo e beleza.

 Os tecidos naturais retêm importantes propriedades, porque as suas fibras herdam e concentram características das plantas e dos animais que as originaram. Os ternos de lã são os mais recomendados. Suas propriedades mágicas e térmicas são indiscutíveis! A magia da lã é liberada continuamente, jamais se esgota, porque os carneiros são animais sagrados, abençoados e a força do fetiche está entranhada em seus corpos. Destaco nesses animais a sociabilidade, bravura, docilidade e pureza. Embora não possuam nenhum tipo de defesa, diferentemente do tigre, existem aos milhões em todos os continentes e os tigres estão praticamente extintos. O sacrifício de um carneiro ou ovelha é um ato de ofensa grave. Considere que macular um terno também é um ato muito ofensivo.

Como não são sacrificados para extração da lã, o tecido não traz nenhum traço de negatividade. Os seus pelos são embebidos com magia, magnetismo e ferormônios de todo tipo, tudo preservado nos processos dos lanifícios.  Ternos feitos de tecidos sintéticos não tem nenhum tipo de magia originada das propriedades materiais, mas ainda podem emanar outras propriedades. De qualquer forma, a magia é muito fraca.

O caimento dos ternos, suas proporções e acabamento são responsáveis pela receptação e concentração da magia. É sabido que toda geometria tem suas propriedades! Não é atoa que as antenas são parabólicas para concentrarem a radiação em um ponto específico do espaço, os trocadores de calor são chapas planas para dissipar o calor, há muitos outros exemplos na natureza onde as formas são importantes, mas muito além da física, a magia também se deixa influenciar pelas formas geométricas ao seu redor.

Pirâmides, templos e outras construções antigas dos egípcios já obedeciam a série de Fibonacci (1,2,3,5,8…). Desde a antiguidade se conhecem as propriedades da razão áurea, baseada nessa série de números considerados mágicos e considerados perfeitos pelos gregos (clássicos). É sabido que um terno bem cortado possui proporções clássicas nos ombros, mangas e tórax. O caimento de um bom terno é tão perfeito que não é exagero dizer que não há outra vestimenta que possa ser comparada. O curioso é que os carneiros se reproduzem e crescem obedecendo ao princípio da série de Fibonacci!

 Os acessórios, tecido, caimento e a cor do terno podem reduzir a magia da vestimenta ou aumentá-la até o seu limite máximo, facilitando a transferência e absorção. Um perfume muito forte pode bloquear a transmissão de certas nuances de magia. Na dúvida não use perfume algum, deixe o cheiro do tecido fluir. 

Sabendo os códigos certos, todas as portas serão abertas e todas as defesas se renderão ao magnetismo pessoal que o uso da vestimenta trará. Só recomendo cautela! Cuidado com o que você deseja, por que teu desejo pode se realizar e você não vai poder mais tirar teu terno…

Capítulo 8

 Z viveu quinze longos anos de prosperidade e conforto depois que passou a usar terno e gravata. Enquanto o código foi seguido, a mágica prevaleceu. Sem fazer esforço algum Z sempre conseguiu trocar com muita facilidade objetos menos valiosos por outros mais valiosos e acumulou muitos bens e vitórias nas batalhas que participou. E os anos foram passando dessa forma. Naturalmente a magia do o código passou a controlar sua vida.  O hábito de usar terno se torna uma prisão com grades douradas. É preciso estar preparado para isso.

 Enquanto se manteve fiel ao código, a magia fluiu e tudo correu bem. Mas Z cometeu um erro, que para o código é imperdoável. Um erro que tantos cometem depois de anos de sucesso. Ele ficou entediado, locupletado, farto de sucesso e não há nada que o terno possa fazer quando nos sentimos cansados do que temos ou somos. O código não permite férias. Jamais!

Certas pessoas não se conformam ou aceitam o seu próprio sucesso. Depois que lutam anos para conseguir e passam por muitos sacrifícios, justamente quando tudo parece que está satisfatório, se esquecem ou não valorizam as suas conquistas e as perdem.

 Z queria a doce ilusão da liberdade. Em uma bela tarde de sol de verão Z ousou afrouxar o nó windsor de sua gravata, tirou o paletó, os sapatos e caminhou descalço na areia, pela beirada do mar, sentindo a areia e as ondas molharem a fina pele dos pés que há anos não tocavam o solo. Uma lágrima de arrependimento foi derramada, o terno se ressentiu e a magia se quebrou. Houve um abalo tremendo na magia.

O sol se pôs, Z refeito calçou os sapatos, vestiu o paletó, apertou o nó da gravata e foi para casa. Mas tudo mudou definitivamente na manhã seguinte, quando ele saiu de casa sem o paletó! Calça e paletó são as metades de uma moeda que jamais devem ser separadas. Z começou a se achar mais forte do que a magia. Começou a duvidar que a magia realmente existisse, que tinha algum poder. O magnetismo pessoal acabou naquele instante e toda boa magia fora revertida abruptamente. Nunca mais ele conseguiria fazer trocas de objetos menos valiosos por outros mais valiosos. A partir daquele instante tudo se resumiria a uma vida sem magia. Até o seu melhor terno estava para abandoná-lo…

Capítulo 9

Z ficou apavorado quando percebeu que seu magnetismo pessoal havia se esgotado. Não dá para notar que o feitiço se quebra e te abandona até que se sinta falta das coisas que ele proporciona. É como se acostumar com o ar que é leve, invisível e insípido… Mas basta faltar por um instante que o desespero se instala.

A ascensão é gloriosa, mas a pior coisa é a decadência. Por que não se aprende nada com o gosto da vitória? É muito difícil perder tudo! Principalmente o sucesso fácil que a magia do terno proporciona. Pobrezinho,  pobre Z se acostumou com a vitória, o luxo, as conquistas e depois perdeu tudo! Aprenderá a conviver com o fracasso. É quase impossível viver com seus próprios meios, enfrentar as dificuldades sem magia. Porque não temos magia, é o terno que nos empresta… Quem nunca teve encanto algum há que tentar inúmeras vezes até conseguir uma oportunidade que jamais virá. A paciência e a resignação são as melhores substitutas da magia.

Sorte, magnetismo pessoal, carisma e ascendência sobre as outras pessoas não são atributos próprios, mas resultado de algum tipo de magia metafísica, coisa que a vestimenta pode proporcionar facilmente para quem usa, merece e respeita o terno, mas que se esgota rapidamente quando se desobedecem as regras. Qualquer um pode ser merecedor, desde que cumpra o código.

Depois que Z percebeu o que estava acontecendo, ele se desesperou, mas não havia mais volta. Desesperado Z decidiu sair para esfriar a cabeça, vestiu seu melhor e mais querido terno de lã, gravata de seda, sapatos de couro e saiu impecável a caminhar. Entrou no seu restaurante favorito, mas sua mesa já estava ocupada e acabou acomodado próximo dos banheiros. Z se sentia absolutamente desconfortável com o terno, sentia um peso terrível, quase tirou o paletó para jantar. Naquela noite ele não recebeu o olhar de nenhuma mulher interessante, o garçom foi descuidado e frio. Ele pagou a conta e lutou para conseguir um táxi.

A chuva torrencial que caiu quando ele deixou o restaurante era outro sinal. O prelúdio, mau agouro, um presságio de que o pior estava ainda por vir.

 

Capítulo 10

Nenhuma vestimenta é vingativa, nem a vida ou a morte…  Mas a magia do terno exige fidelidade. As coisas simplesmente são assim mesmo! Do jeito que são… Parece até que gostam de pregar peças na gente, mas não é o caso, é o acaso! Uma hora estamos com tudo! No momento seguinte somos mais um na multidão. O importante é aprender alguma coisa com o sobe e desce da maré. Mas a lição que nunca podemos esquecer é não desrespeitar o código para evitar ficar aos sabor das ondas.

O sol nasce para todos, mas a sombra é para bem poucos. Não conheço ninguém que não use terno que possa sair do sol, aproveitar a sombra e depois retornar à luz do sol segundo o seu bel prazer. O universo é infinito, não há somente um lugar para ficar, tudo bem… Mas cada um tem a sua identidade, um caminho e o seu lugar. O pobre verme que ousa sair da terra se resseca ao sol. Pobre verme cego, nem pode enxergar a luz. O mais belo cactos do deserto definha na sombra. O que eu quero dizer é que cada um tem seu lugar, cada um com a sua cruz.

O terno pode mudar uma vida, mudar tua aparência, conseguir trocas maravilhosas, pode mudar quem você pensa que é, mas não pode mudar quem você realmente é, isto se o coração não estiver aberto para a mudança. O terno muda a vida de uma pessoa facilmente, mas não a pessoa. Nem todo mundo pode com seu próprio terno. O terno não é para todo mundo. A magia é perigosa e vestir um terno pode ser uma benção ou uma maldição, isto, se você precisar mudar e pensar que há um preço a ser pago. Um terno pode te levar a muitos lugares, alguns muito distantes de casa, nada disso importa, só o cumprimento do código. Se for um sacrifício cumprir o código, pior para você…

E tudo tem seu preço. Há decisões que depois de tomadas não adianta lamentar. Não adianta fingir quando se trata de quem somos ou de onde viemos. É inútil buscar a magia perdida. A flecha não volta ao arco, bem como os anos perdidos não voltam nunca mais. Também é inútil usar a magia para esconder-se de si mesmo ou mentir o tempo todo para todo mundo. Um dia ficamos cansados daquilo tudo que temos e que nos transformamos naquilo que somos… Então tudo se desmorona como um castelo de cartas.

Capítulo 11

A estória de Z termina aqui. Mas logo surge outra em seu lugar… Z está no fundo de um poço escuro, frio que ele tenta sair desesperadamente, mas não consegue, por que o lugar dele agora é lá. O terno mudou a vida de Z, mas ele estragou tudo cuspindo no prato, porque não queria a mudança de coração. Ele mudou por fora, por dentro continuou o mesmo. É como prender a respiração… Depois de um tempo é impossível segurar o fôlego e o cheiro do caminhão do lixo te invade as entranhas.

Apesar do constante arrependimento, as coisas não melhoraram na vida de Z, porque as coisas não são assim, muito pelo contrário! Z sentia falta das coisas, das trocas bem sucedidas, mas fora isso, um certo alívio do tolo que está livre em uma pequena ilha deserta, mais nada…

Ele acabou demitido do seu emprego de presidente de uma enorme corporação internacional de marcas. Depois terminou seu relacionamento com uma supermodelo negra, totalmente magra, com pernas de gazela e dizem por aí, obcecada por sexo… Segundo os jornais de fofocas, Z simplesmente parou de procurá-la. Z estava só. E a antiga namorada dele, uma garota do subúrbio o desprezava…

Ele costumava caminhar sozinho à noite para se arrepender, pensar… Sempre vestido com seu terno favorito com muito esperança e remoendo seus erros. Seus pensamentos se resumiam em apenas um! Ele sonhava dia após dia com a possibilidade de recuperar a magia perdida. Os pensamentos eram sons tão altos em sua mente que o incomodavam provocando fortes dores de cabeça, enjoo e lágrimas. Ele passou a dormir vestindo terno e gravata para demonstrar seu arrependimento, tarde demais. Além disso, nunca daria certo, pois a magia exige que se vista o terno consciente e se durma sem roupas… Claro que ele sabia disso, mas ele se martirizava dessa forma, se punia e isso irritava ainda mais a vestimenta, que desejava deixá-lo.

Uma noite Z estava só passando por uma rua mal iluminada quando uma forte ventania cegou os olhos. Enquanto ele se livrava de folhas de jornais que se embolaram em suas pernas e esfregava os olha Z escutou o aviso. “Parado: Isto é um assalto, me entrega tudo.”

Foi difícil acreditar, mais ainda limpar a terra dos seus olhos com as mãos trêmulas, mas finalmente ele viu a imagem de um homem com aproximadamente sua estatura. Um rapaz ainda jovem segurando um trabuco enorme em sua direção. De onde ele viera pensou Z. Estava tudo perdido? Tudo acabado? Mesmo um terno carregado de magia não pode muito contra um revólver carregado.

Capítulo 12

O ladrão fez mais do que isso, ao anunciar o assalto, bradou bem alto, decretando como um Deus que a vida de Z estava em suas mãos! Ele não hesitaria em matá-lo ali mesmo caso houvesse qualquer resistência ou reação minimamente agressiva. Na verdade Z permanecia vivo naquele instante por um único e simples motivo. Seu belo terno de lã fria permitira!

“Eu só não te mato agora por que gostei da tua roupa e não quero suja-la com teu sangue, tira, tira agora e passa para mim…”

O terno impedira Z de ter levado bala e ter morrido na calçada. O ladrão apesar de estar em fuga, lutando pela vida, se interessou na vestimenta e a desejou mais do que tudo. É isso que o terno quer! Ele queria tomar o terno de Z para si porque passou na cabeça dele que seria mais fácil, um tipo de disfarce. O ladrão não estava de todo errado. Z respirava aceleradamente, sabia que só estava vivo porque o terno o havia protegido da morte, mas a magia estava no fim e ele não devia abusar. Aparentemente seu estilo o salvara, mas era só a magia agindo pela última vez!

 

O ladrão desejava tanto o terno que Z usava, que não ousaria atirar na cabeça nele… O ladrão queria por demais o terno italiano de lã fria para si, embora nunca tivesse vestido um terno em sua vida e nem imaginava o que era um terno super 150, clássico com dois botões! Mas ele arriscaria perder tempo, ser reconhecido ou pego pela polícia para roubar e vestir aquele terno. É o fetiche se apresentando… Ela nunca havia vestido nada parecido antes, mas estava totalmente enfeitiçado, tão vidrado que nada mais importava. Não havia nenhum outro motivo para impedir o ladrão. Nada o deteria. O terno de Z seria tomado e se necessário ele usaria a força.

 Os ladrões são assim, inescrupulosas criaturas, vivem o momento, agem por necessidade, paixão e agressividade. Eles não se importam com mais nada. Eles seguem seus instintos cegamente, como animais selvagens. Eles estão dispostos a matar ou morrer. Sendo assim, nesse sentido o terno e o ladrão se tornariam uma dupla mais do que perfeita.

Como o ladrão não queria sujar o terno com sangue e estragar a “sua” nova roupa, Z teria uma chance de sair ileso, mas se Z demorasse a se decidir ou não obedecesse às suas ordens, o assaltante o mataria ali, sem hesitar, a despeito de qualquer coisa. E o ladrão ameaçou fazê-lo apenas uma vez mais engatilhando a arma.  Não haveria outra chance para Z se render e desistir.

Na verdade eram dois bons motivos para Z estar vivo! O primeiro era puro fetiche, o desejo insuportável de fuga do ladrão, aliado a necessidade de pegar e usar o terno de Z e vestir. O segundo motivo era bem mais prosaico, pura sorte. Os dois vestiam exatamente o mesmo número. Sorte de Z, sorte do terno e sorte do ladrão! É magia…  O terno caberia perfeitamente no ladrão, sim o terno já sabia disso e estava deliberadamente atraindo o ladrão para dentro de si, porque queria sair de Z.

O ladrão ordenou que Z tirasse o paletó, gravata, sapatos, enfim tudo.  Z deveria entregar todos os seus pertences. Z derramou uma lágrima porque sabia o que isto significava, mas se submeteu. A Magia do terno desejava outro corpo, outro condutor, estava se transferindo para o ladrão por que não mais suportava Z. De alguma forma Z sabia que jamais vestiria um terno outra vez. O ladrão ordenou que Z não o olhasse novamente para ele sob pena de ser morto imediatamente. Z se virou, se despiu de costas e assim que terminou jogou as roupas no chão. Que mal criado!

O ladrão bateu com força com a coronha do revolver na nuca de Z e ele caiu desmaiado na calçada. A pancada foi tão forte que Z teve uma espécie de traumatismo que provocou uma amnésia definitiva. Ele se esqueceu dos últimos 20 anos de sua vida. Suas lembranças foram toda apagadas.

O ladrão tirou seus trapos velhos, jeans rasgado, camiseta polo azul e se vestiu com o terno. Depois de vestido, colocou suas roupas em Z, depois o vendou, amordaçou e o amarrou em um poste.  O ladrão partiu andando para uma nova vida e Z ficou babando. O terno ajudou o ladrão a passar por duas barreiras policiais e na segunda foi informado pelos policiais que um perigoso ladrão havia sido amarrado em um poste por populares…

O ladrão pegou todo o dinheiro da carteira de Z, seus cartões e atirou o restante dos documentos em um rio poluído.

Com isso ele pode pagar um bom corte de cabelo e uma noite de hospedagem em um hotel de primeira com duas prostitutas caras. Isso foi o suficiente para o ladrão cometer golpes muito maiores e lucrativos, enquanto Z apodrecia na cadeia pública e depois em um hospício.

Capítulo 13

Um dia o ladrão percebeu que não poderia mais viver sem seu terno e ele aceitou isto. Entendeu que havia algo sobrenatural naquela vestimenta e decidiu se submeter. Ele estudou, se aprimorou e seus golpes se tornaram complexos esquemas no mercado de comodities internacionais. Tudo absolutamente legal. Em cinco anos o ladrão se tornou um dos homens mais ricos da América e dono das casas de prostituição mais badaladas em quatro continentes. Em sua casa sempre haviam dez ou doze mulheres para o servir de todas as formas.

Um dia aquele ladrão ignorante e agressivo se educou, envelheceu e demonstrou ter aprendido algo na vida. Ele decidiu escrever tudo que havia sobre o uso de ternos para deixar para as próximas gerações.

1)      Um terno deve ser respeitado e usado em sua forma clássica com sapatos, camisa social, gravata e sem modismos ou modernismos.

2)      Um terno deve ser usado com amor, sempre, todos os dias, em qualquer tempo, situação, local ou companhia, sem exceção.

3)      O terno precisa descansar e só deve ser tirado na intimidade de seu quarto e guardado com carinho em armário adequado e espaçoso

4)      O terno jamais pode ser despido antes de 12 horas de uso contínuo (mais do que a metade do dia)

5)      O terno pode ser retirado para amar.

6)      Não vista nenhuma outra roupa;

7)      A alimentação é uma ocasião que sempre exige o uso de terno e gravata.

8)      O terno deverá ser sempre usado, mesmo após o período de tempo exigido, se for comer, sair ou mesmo circular pela casa.

9)      O terno não pode ser usado para dormir.

10)      O terno deve ser vestido antes das 8h.

11)      O terno não pode ser despido antes do por do sol.

12)   Um mesmo terno não pode ser usado mais do que três dias seguidos e nem mais do que 24 horas.